Siga nossas Redes
'
');

POLICIAL

Como está o andamento do caso dos irmãos mortos carbonizados em Linhares, 04 anos após o caso?

Publicado

em

IMAGEM REPRODUÇÃO R7

Quatro anos depois, um dos casos de polícia mais impactantes dos últimos tempos no Espírito Santo ainda não tem prazo para ser concluído. Diversos recursos têm sido apresentados à Justiça, o que tem postergado o julgamento de Georgeval Alves, acusado de estuprar, espancar e assassinar o filho, Joaquim Alves, na época com 3 anos, e o enteado, Kauã Sales Butkovsky, de 6 anos.

O crime aconteceu em Linhares, no Norte do Estado, no dia 21 de abril de 2018. Para marcar o quarto ano do assassinato das crianças, uma caminhada será realizada na cidade, na próxima quinta-feira (21).

Folha Vitória
FOTO: DIVULGAÇÃO

Os manifestantes vão partir da capela mortuária e seguirão até as sepulturas onde estão enterrados os dos irmãos. O ato é promovido por familiares das duas vítimas.

O último recurso apresentado pela defesa de Georgeval Alves foi um recurso especial, apresentado em fevereiro deste ano e que aguarda análise de admissibilidade por parte da Vice-Presidência do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES).

Caso a Vice-Presidência da Corte considere que o recurso apresenta os requisitos necessários para ter seu mérito analisado, ele será encaminhado para o Superior Tribunal de Justiça (STJ). Se isso acontecer, o caso deve se arrastar na Justiça por mais tempo ainda.

A decisão de que Georgeval Alves seria levado a júri popular foi proferida em maio de 2019, pouco mais de um ano após o crime. A sentença de pronúncia foi do juiz de primeiro grau, André Bijos Dadalto, da 1ª Vara Criminal de Linhares, que decidiu que o acusado responderá pelo crime de duplo homicídio qualificado, estupro de vulnerável e tortura.

Depois disso, a defesa do réu começou a apresentar uma série de recursos na Justiça. Um deles, foi um recurso de sentido estrito, que não foi aceito pelo TJES. Em seguida, foram apresentados os embargos de declaração, também rejeitados pela Corte.

Relembre o caso

O crime aconteceu na madrugada do dia 21 de abril de 2018, na casa da família, em Linhares. Na época, Kauã tinha 6 anos de idade e Joaquim apenas 3. A Polícia Civil concluiu que Georgeval estuprou, espancou e, em seguida, ateou fogo nas duas crianças, enquanto elas ainda estavam vivas.

A esposa dele e mãe dos meninos, chegou a ser presa na época. No entanto, o juiz da 1ª Vara Criminal de Linhares decidiu por não levá-la a júri popular. Em sua decisão, o magistrado entendeu que não havia nos autos do processo provas cabais que demonstrassem que a mãe dos irmãos teria sido omissa ao permitir a aproximação de Georgeval das crianças.

Na época do crime, o acusado alegou que estava dormindo, quando ouviu, pela babá eletrônica, as duas crianças chorando. Georgeval Alves disse que foi até o quarto dos dois, mas não conseguiu salvá-los.

A Polícia Civil e o Corpo de Bombeiros realizaram perícias na casa onde o caso aconteceu e no carro que geralmente era utilizado por Georgeval Alves e concluiu que a versão apresentada pelo acusado é falsa. O réu está preso desde o dia 28 de abril de 2018.

TEXTO DO SITE R7.COM

Redator do portal de notícias O Singular, com informações em matérias policiais, do cotidiano e de assuntos Políticos.

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement

SEJA UM AGENTE DA INFORMAÇÃO

[email protected]

 (27) 99257-7565

Participe do nosso site enviando sugestões de conteúdo, fatos e os acontecimentos registrados por você. Seja um agente da informação! Seja diferente, seja Singular!

Advertisement

MAIS LIDAS